XIV Alaiandê Xirê – Programação

XIV Alaiandê Xirê – São Paulo – 2013

Seminário e Festival Internacional de Culturas Africanas e Afro-brasileiras

de 30/10 à 02/11/2013

Alaiandê Xirê – Festival Nacional de Alabês, Xicarangomas e Runtós .

Tem por objetivo debater questões diversas sobre os povos e comunidades tradicionais de matriz africana com ênfase naquelas relacionadas aos músicos sagrados dos candomblés de todas as nações.

Neste ano, o orixá homenageado será Logunedé, patrono do terreiro Ilê Afro Brasileiro Odé Loreci onde se realizará o encontro e contará com o apoio organizacional do Instituto Alaiandê Xirê, CERNe (Centro de Estudos das Religiosidades Contemporâneas e das Culturais Negras) do Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo, Àgò Lònà Associação Cultural e Prefeitura de Embu das Artes.

Tema

Origens, Tradições e Continuidades – Desafios da cultura afro-americana no século XXI

 

llê Odé Loreci

Local: Ilê Afro Brasileiro Odé Loreci

Rua Monte Alegre, 126 – Jardim Pinheiros – Embu das Artes – SP

XIV Alaiandê Xirê 2013 SP
Cerimônia Oficial de Abertura em 30.10.2013
Veja o vídeo em:

Instituto Alaiandê Xirê

Presidente de Honra: Maria Stella de Azevedo Santos (Ìyálórìsà do Ilé Àse Òpó Àfònjá) Mãe Stella de Òsóòsì, Ode Káyòdé)

Presidente: Roberval José Marinho (Lojútògún do Ilê Axé Opô Afonjá, doutor em Artes pela USP e professor da UCB)

Vice-presidente: Rita Virgínia Rodrigues do Rio (Omorogbá do Ilê Axé Opô Afonjá).

     Comissão Organizadora do XIV Alaiandê Xirê (São Paulo)

Baba Ògúndáre (Anfitrião, sacerdote do Ilê Afro Brasileiro Odé Loreci)

Aulo Barretti Filho – Coordenador Geral do Alaiandê Xirê São Paulo (Presidente e pesquisador da Funaculty e Bàbálórìsà Kétu (BA) reafricanizado (SP))

Vagner Gonçalves da Silva (Prof. Dr. no Departamento de Antropologia da USP e Coordenador do CERNe)

Pedro Neto (Àgò Lònà Associação Cultural, membro do Núcleo de Relações Raciais, Memória, Identidade e Imaginário do PEPG da PUC – SP e membro titular do Colegiado Setorial de Culturas Afro-Brasileiras do CNPC-Minc e Onìlù de Sàngó) 

Rosenilton Oliveira (Doutorando em Antropologia – USP)

Ivan Grecov Filho (Elégún Èsù do Ilê Afro Brasileiro Odé Loreci)

Marcelo Mendes Chaves (Mestre em Artes – USP)

Programação

30/10 – Quarta-feira

20:00 hs – Cerimônia de Abertura

   Xirê de Abertura do Alaiandê Xirê. Saudações aos Ancestrais e aos Òrìsà.

Terno de Alabês do Ilê Axé Opô Afonjá (Abíodun Adrianinho do Ògún e Guelê do Òsóòsì) e da Casa Branca do Engenho Velho (Papadinha) (Salvador – BA)

    Fala das autoridades, parceiros e apoiadores:

Roberval Marinho (Presidente do Alaiandê Xirê)

Baba Ògúndáre (Anfitrião, sacerdote do Ilê Afro Brasileiro Odé Loreci)

Aulo Barretti Filho (Coordenador Geral do Alaiandê Xirê São Paulo)

Vagner Gonçalves da Silva (Comissão Organizadora)

Chico Brito (Prefeito de Embu das Artes)

Pedro Neto (Comissão Organizadora)

Coordenação: Ivan Grecov Filho (Comissão Organizadora)

 

22h – Coquetel/Ajeun

Discotecagem com o DJ Eduardo Brechó (ritmos afro-brasileiros)

 

31/10 – Quinta-feira

9:30 h Toque de Abertura da Jornada – Saudações aos Ancestrais e aos Òrìsà.

Terno de Alabês do Ilê Axé Opô Afonjá. (Salvador – BA)

.

10:00 as 11:30 h – Mesa 1 – Logunedé – Entre o Rio e a Floresta

Bàbá Ògúndáre (Bàbálórìsà do Ilê Afro Brasileiro Odé Loreci – SP)

Omoriyeba Silifatu Lasisi*

Mopelola Osunfumike Oladejo*

(* Sacerdotisas responsáveis pelo culto de Logunéde em Ibadan na Nigéria)

Coordenação: Vagner Gonçalves da Silva (USP – SP)

Esta mesa visa discutir a presença de Logunedé na tradição africana e afro-brasileira. De que forma suas origens e ressignificações brasileiras podem contribuir para a continuidade da cultura negra.

 

11h30 as 13:00 h – Mesa 2 – Religiões no espaço público

Rachel Rua Baptista Bakke (USP – SP)

Bàbá Paulo César Pereira de Oliveira (Centro Cultural Orunmilá – Ribeirão Preto/SP)

Jocélio Teles dos Santos (UFBA-Bahia)

Coordenação: Teresinha Bernardo (PUC – SP)

Esta mesa visa promover uma reflexão sobre a presença dos valores culturais e religiosos afro-brasileiros fora dos templos. Ao mesmo tempo em que estas religiões são atacadas elas também ganham visibilidade na mídia (novelas que abordam o tema, por exemplo) e em outros espaços públicos. A implementação da lei 10.639/2003 que obriga o ensino de história africana e cultura afro-brasileira e indígena tem promovido muita polêmica, sobretudo quando se fala das religiosidades de origem africana que ainda são vistas com muito preconceito.

 

13:00 as 14:30 h – Almoço

 

14:30 as 16:00 hs – Mesa 3 – Convivência inter-religiosa

Vagner Gonçalves da Silva (CERNe/USP)

Aulo Barretti Filho (Pesquisador da Funaculty e Bàbálórìsà Kétu)

Coordenação: Milton Bortoleto (CERNe/USP)

Esta mesa visa promover uma reflexão sobre o crescente processo de intolerância religiosa verificado em todo o Brasil e promovido, sobretudo, pelas denominações neopentecostais contra as religiões afro-brasileiras. Também falaremos das transformações positivas que esse processo acarretou entre os quais a maior aproximação das tradições afro-brasileiras entre si, rompendo muitas vezes rivalidades históricas (entre a umbanda e o candomblé, por exemplo), a formação de movimentos de conscientização e de reações aos ataques (como processos impetrados na justiça denunciado os crimes relacionados à intolerância e descriminação religiosa).

 

16:30 as 18:00 hs – Mesa 4 – O sistema oracular de Ifá: suas trajetórias e implicações

Ayoade Kazeem Adeleke (Bàbálawo de Ibadan – Nigéria)

Tomás Fernández Robaina (Investigador e Professor Titular da Biblioteca Nacional de Cuba – Cuba)

Bàbá Ògúndáre (Bàbálórìsà do Ilê Afro Brasileiro Odé Loreci – Brasil)

Coordenação: Rosenilton Silva de Oliveira (CERNe/NAU-USP – Brasil)

Esta mesa visa promover uma reflexão sobre o sistema oracular de Ifá, um dos principais meios de ensino, aprendizado e organização das religiões afro-americanas. Este sistema apresenta o principal corpus sobre a cosmologia, cosmogonia, valores religiosos etc. que embasam a prática do culto aos orixás na África e em sua diáspora pelo mundo. Neste sentido, pretende-se avaliar as diferentes escolas ou tradições de Ifá desenvolvidas ao longo das duas margens do Atlântico Negro (principalmente em países como Nigéria, Cuba e Brasil) e o modo pelo qual a crescente divulgação e prática deste oráculo impacta o desenvolvimento do culto aos orixás nos moldes praticados pelas tradições afro-americanas.

 

19 as 20:30 h – Jantar

.

20.30 h – Atividade Cultural

Lançamento do livro Ensaios sobre raça, gênero e sexualidades no Brasil de Jocélio Teles dos Santos

21:00 h – Nega Duda e o Samba de Roda do Recôncavo da Bahia

  

1/11 – Sexta-feira

9:30 h Toque de Abertura da Jornada – Saudações aos Ancestrais e aos Òrìsà.

Terno de Alabês do Ilê Axé Opô Afonjá. (Salvador – BA)

.

10:00 as 11:30 h – Mesa 5 – Religião e Políticas Públicas: Cultura e Patrimônio

Emanuelle Kayda Tall (EHSS – França)

Rebeca Campos Ferreira (USP – Brasil)

Julio Maracen (Unifesp – Cuba)

Antonio Maia (CERNe-USP – Moçambique)

Coordenação: Rosenilton Silva de Oliveira (CERNe/NAU-USP – Brasil)

Esta mesa visa promover uma reflexão sobre as relações entre as comunidades de terreiro e a sociedade mais ampla. Como se sabe entre as várias políticas públicas adotadas pelos governos, sobretudo dos últimos 20 anos, estão o atendimento às demandas das comunidades negras em torno de melhoria das condições de vida, relacionadas à saúde, à visibilidade social, ao combate à discriminação sócio racial etc. Com isso, as comunidades de terreiro têm sido fortemente chamadas a atuar como agentes políticos por ser importantes centros de construção de identidade voltados à memória e pratica de valores cognitivos de origem africana. Tombamentos de terreiro e de manifestações culturais de influência religiosa têm mostrado a presença e importância destas comunidades neste processo.

 

11:30 as 13:00 hs – Mesa 6 – Religião e Artes

Marcelo Mendes (USP)

Yumei Labañino (Instituto Cubano de Antropologia – CERNe-USP)

Dilma de Melo e Silva (USP)

Coordenação: Roberval Marinho (UCB)

Esta mesa visa promover uma reflexão sobre a importância das religiões afro-brasileiras na construção da identidade nacional por meio da produção artística. Como se sabe, essa religiosidade influenciou fortemente a música popular brasileira (com gêneros musicais como o samba), as manifestações festivas nacionais (como o carnaval, maracatus, afoxés, festas de largo), a literatura (sendo Jorge Amado seu grande divulgador), o cinema e as artes visuais, entre outros campos.

 

13:00 as 14:30 h – Almoço

 

15:00 hs – Abertura do Festival

 

Toque de Ogum, Oxóssi, Xangô, Logunedé, Oxun e Oxála.

– Terno de Alabês do Ilê Axé Opô Afonjá. (Salvador – BA)

 

 15:30 hs – 1ª Apresentação das delegações de tocadores (Alabês, Xicarangomas e Huntós)

 

– Terno de Muxiki N`Goma do Nzo Tumbansi Twa Nzaambi Ngana Kavungu (Itapecerica da Serra – SP) com Taata Kwa Nkisi Katuvanjesi

– Terno de Huntós da Casa das Minas de Thoya Jarina (Diadema – SP) com Nochê Sandra de Xadantã

 

18 h – “O Dobra Couro” (Homenagem aos religiosos falecidos)

 

Toque aos Ancestrais Homenageados  e aos seus respectivos Òrìsà.

Terno de Alabês do Ilê Axé Opô Afonjá. (Salvador – BA)

.

– Hayde Bangbose (Terreiro Pilão de Prata – BA)

– Alapini Deoscoredes Maximiliano dos Santos (Ilé Asipá – BA)

– Cidália de Iroko (Terreiro do Gantois – BA)

– Hilda Jitolu (Ilê Axé Jitolu – BA)

– Gilda dos Santos (Ilê Axé Abassá de Ogum – Ba)

– Manode de Iansã (Terreiro de Candomblé de Santa Bárbara – SP)

– Toy Francelino de Xapanã (Casa de Mina de Thoya Jarina – SP)

– Jorge de Iemanjá (Casa de Iemanjá – MA)

– Zefinha de Oxum (Terreiro de Oxum Mitaladê – SP)

– Pérsio de Xangô (Ilê Alaketo Axé Airá – SP)

– José Flavio Pessoa de Barros (Ilé Àse Omi Iwí Odara – RJ)

– José Carlos de Ibualamo (Ilé Alákétu Àse Ibúalámo – SP)

– Caio de Xangô (Axé Ilê Oba – SP)

– Doda de Ossaim (Ilé Àse Osanyin Dare – SP)

Apresentação: Vagner Gonçalves da Silva e Aulo Barretti Filho (Comissão Organizadora) 

 

20:00 as 21:30 h – Jantar

 

21:30 hs – Atividades Culturais

Lançamento do livro: Obàtálá e a Criação do Mundo Yorùbá de Luiz L. Marins

Lançamento de trabalhos, CDs, DVDs e outros materiais religiosos.

 

02/11 – Sábado

10:00 às 11:30 hs – Cerimônia de Passagem da Bandeira do Alaiandê Xirê

Toque aos Òrìsà e do Rito de Passagem.

Terno de Alabês do Ilê Axé Opô Afonjá. (Salvador – BA)

Ritual de passagem da Bandeira do Alaiandê Xirê para a Instituição que irá sediá-lo em 2014

por Rita do Rio de Sángò do Ilê Axé Opô Afonjá 

Apresentação de Roberval Marinho – Presidente do Alaiandê Xirê

.

11:30 as 13:00 h – Roda de Conversa – I Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana

Silvany Euclênio (Secretaria de Comunidades Tradicionais (SEPPIR – PR)

Kota Mulanji Mona Kelembeketa –

Regina Nogueira (Médica e Coordenadora de Saúde da População Negra de Embu das Artes) 

O plano foi construído com base no Plano Plurianual (PPA 2012-2015) e reúne um conjunto de políticas públicas que buscam a garantia de direitos, a proteção do patrimônio cultural e da tradição africana no Brasil. Além do enfrentamento à extrema pobreza com ações emergenciais e de fomento à inclusão social produtiva e Desenvolvimento Sustentável.

A SEPPIR coordena o grupo de trabalho responsável pela execução, monitoramento e revisão do plano e que agrega os Ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Meio Ambiente, Saúde, Educação, Cultura, Planejamento, Orçamento e Gestão, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Fundação Cultural Palmares, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Coordenação Pedro Neto (PUC – SP, Membro do Colegiado do CNPC-Minc e Onìlù de Sàngó) 

 

13:00 as 14:30 hs – Almoço.

 

15:00 as 18:00 hs – 2ª Apresentação das delegações de músicos

 – Terno de Alabês do Ilê Axé Omo Oxê Igba Aladan (São Paulo – SP) com Bàbálórìsà Toninho d’Oxum

– Terno de Xikarangomas do Manzo Nkisi Musambu (Carapicuíba – SP) com Taata Taua e Négua Buraji

 

19h – Jantar de Encerramento

 

Veja o VII Alaiandê Xirê

Veja o XIV Alaiandê Xirê SP 2013

Òsóòsì e Èsù, os Òrìsà Alákétu

Leia também:

Abençoado por Mãe Stella de Oxóssi e por Logunedé 

Como foi o XIV Alaiandê Xirê – São Paulo – 2013

.